Conheça as características das principais organizadoras de concursos

257

bancas_1

Quando um concurso está para ser lançado, muitos concursandos ficam ansiosos para saber qual será a organizadora daquele certame. Isso porque cada uma possui uma característica. E, para que você conheça um pouco melhor sobre as principais bancas, nós preparamos uma postagem que vai te fazer entender um pouco melhor como funciona a prova de cada uma, confira:

FCC (Fundação Carlos Chagas):

A Fundação Carlos Chagas (FCC) trabalha com os conteúdos de maneira direta e objetiva. São características da banca as questões de múltipla escolha. Podemos observar uma boa distribuição das questões ao longo da prova, o que faz com que sejam cobrados todos os tópicos do edital.

Prova:  Na prova da FCC, é possível encontrar uma ou outra questão doutrinária ou jurisprudencial. Contudo, sem medo de errar, podemos dizer que a maior parte da prova é composta por questões literais, “letra da lei”, ou, como ouvimos no mundo dos concursos, a lei “seca”.

Atenção: Um bom conselho é o estudo atento da legislação. O candidato não pode se deter apenas a manuais, doutrinas e jurisprudências. Com esse cuidado no estudo, o candidato terá grandes chances de ser aprovado.
Além disso, duas matérias podem enganar os concurseiros novatos: Informática e Língua Portuguesa. A maioria acredita que conhece profundamente essas matérias, no entanto, na hora da prova, acabam esquecendo onde ficam os menus e comandos dos aplicativos de escritório, fazem alguma confusão de conceito ou algo do gênero. Por isso, reserve uma parte do seu dia para aprender essas duas matérias.

Dica:
• Faça as provas anteriores.
• Estude os conteúdos propostos pela banca, observando questões anteriores de concursos de mesmo nível ou nível inferior.

Dificuldade:
• O grau de dificuldade que encontramos é de médio a difícil. Vale a pena ler as alternativas propostas e depois partir para o enunciado das questões. Por apresentar uma relação coesa entre as diversas questões, uma breve leitura da prova pode auxiliar o candidato a responder outras questões.

>> Vem aí um novo concurso na área administrativa

Cesgranrio:

A banca tem por característica distribuir proporcionalmente as questões por todos os itens do edital. Sendo assim, é necessário que o candidato estude todo o conteúdo proposto, pois dificilmente algum item não será cobrado. Vale lembrar que o estilo da Cesgranrio é semelhante ao da Fundação Carlos Chagas (FCC).  Na matéria de Atualidades, ela cobra elementos do cotidiano, o que torna necessário uma leitura detalhada dos fatos presentes na mídia nacional, tanto impressa quanto virtual. Alguns textos são extraídos do Jornal O Globo.

Prova: A banca também tem por costume a utilização de gráficos e imagens, exigindo do candidato capacidade de visualização e de interpretação. Mais uma vez, vale ressaltar, a importância dos temas divulgados na imprensa nacional. As charges são reproduzidas, por isso, existe certa vantagem em o candidato já ter visto a matéria citada.

A banca organiza concursos federais e estaduais. Uma dica interessante é estudar o perfil das questões da banca através da resolução de provas da FCC, devido à semelhança entre as duas. Como já foi dito, as bancas trabalham relativamente com o mesmo conceito de prova. A Cesgranrio não elabora provas muito longas nem com enunciados muito complexos. Dessa forma, o controle de tempo é secundário. O foco deve estar na abordagem que a banca dá aos conteúdos do edital. As questões são bem diretas e objetivas, e isso acaba sendo um problema para o concursando “menos” atenciosos, que podem “cair” nas pegadinhas por vezes trazidas pela banca.

>> Lei derruba a suspensão de concursos em 2016!

FGV – Fundação Getúlio Vargas:

As questões da Fundação Getúlio Vargas são de múltipla escolha, em geral com cinco alternativas para resposta. É uma banca que realiza concursos em nível federal, estadual e municipal, além do Exame de Ordem, que ocorre três vezes ao ano para os bacharéis em Direito que pretendam se tornar advogados.
Com relação às disciplinas de Direito, alternam questões complexas com outras fáceis, sendo a grande maioria texto de lei, porém, não dá para deixar de lado o conhecimento doutrinário, pois pode aparece nas provas.

Dificuldade:
• A complexidade varia conforme o nível de escolaridade, cargo e instituição. A FGV, em alguns concursos, traz questões relacionadas ao dia-a-dia do cargo. Tenha atenção neste ponto.
• É uma banca que cobrará todo o conteúdo do edital, não dá para deixar de ler nada.
• Muitas das questões, principalmente em Português, trazem textos longos, o que pode tornar a prova cansativa, esteja preparado.

>> Dois editais abertos na área militar. Confira!

Cespe/UnB:

A banca Cespe/Unb (Centro de Seleção e Promoção de Eventos da Universidade de Brasília) tem se destacado nos últimos anos, sendo a principal organizadora de provas para concursos públicos e, o que é mais importante, não cometendo muitos erros em seu processo.

A Cespe/UnB organiza os principais concursos nacionais, contudo, uma área se destaca nesse cenário: as carreiras policiais. Instituições como: Polícia Federal (PF), Polícia Rodoviária Federal (PRF), Departamento Penitenciário Federal (DEPEN) e Polícia Civil do DF (PCDF) são alguns dos concursos contemplados com a formatação padrão de cobrança de questões e da prova discursiva. Além disso, a banca foi responsável pelos concursos do Ministério Público da União, Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Ministério de Minas e Energia.

Prova: A Cespe/UnB tem duas formatações nas cobranças das questões. A primeira (menos usada) é a formatação padrão das demais bancas organizadoras, ou seja, múltipla escolha. No entanto, a formatação clássica, que dá destaque especial à banca, é a formatação “certo ou errado”.

A banca faz uma afirmação ou negação no texto e o candidato tem que dizer se está certo ou errado. A cada questão que o candidato erra, existe uma pena que retira uma das questões que ele acertou e as questões deixadas em branco ou com dupla marcação não são apenadas.

Cuidado: O candidato que pretende fazer um concurso dessa banca deve ter em vista que a preparação é distinta, pois o estilo de prova não é o tradicional. Além disso, é preciso entender que a resolução de exercícios antes da prova é fundamental para garantir uma boa colocação no concurso.

>> Prepare-se para a PF Administrativa

Banca Esaf:

A banca Escola de Administração Fazendária (EsAF) é o órgão integrante da estrutura do Ministério da Fazenda responsável pelo recrutamento, em todo o território nacional, de servidores para o desempenho de funções na gestão das finanças públicas. Confira todas as informações sobre a banca:

Confiabilidade: Em comparação com outras bancas, a EsAF vem se colocando ao longo de sua história como uma das mais sérias e responsáveis organizadoras de concurso público do país. Os certames organizados por ela não vêm apresentando grandes problemas de organização ou fraude, o que traz maior confiabilidade e segurança para os candidatos.

Concursos realizados: Alguns concursos tradicionalmente organizados por ela se destacam por ter envergadura maior, trazendo notoriedade à banca, como: Ministério da Fazenda, Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil e Analista-Tributário da Receita Federal do Brasil.

Dificuldade: Em comparação com as de outras bancas, suas provas possuem um grau de dificuldade elevado em função da complexidade e profundidade com que são cobradas algumas matérias, como: português e exatas. Com questões de múltipla escolha (a, b, c, d, e), seus textos são normalmente extensos e complexos, tornando a resolução das questões mais trabalhosa, demorada e cansativa.

Além disso, você precisa ser muito bom em todas as matérias. Confira:

1. Média por matéria ou grupo de matérias: de nada adianta ser o melhor em algumas matérias, acertando tudo, e não fazer os mínimos nas outras. São inúmeros os relatos de candidatos que ficam com ótima pontuação, o que lhes garantiria as primeiras colocações, mas que acabam desclassificados por uma única questão em uma matéria específica.
2. Administração do tempo: em função da complexidade com que as matérias são cobradas, dificilmente o candidato tem tempo suficiente para analisar e resolver com calma todas as questões, o que aumenta em muito a possibilidade de errar. Como é necessária a média por matéria ou grupo de matérias, é mais importante se preocupar com a aprovação antes da classificação.

Para tanto, o mais aconselhável é:

Preparação:

• Defina o cargo para o qual prestará o concurso. Isso porque, dependendo do cargo almejado, a preparação exigirá muita dedicação, tempo e paciência.
• Faça um plano de estudos que contemple toda a matéria, dedicando tempo maior às maiores dificuldades.
• Faça rodízio entre matérias, revezando duas, três ou quatro por dia, de forma que não haja períodos longos sem contato algum com alguma delas.
• Não se compare a outras pessoas. Realidades diferentes normalmente determinam resultados diferentes. Compare-se a si mesmo e busque conhecimento nos outros apenas para aprender o que está dando certo e verificar se essa estratégia funcionará com você também.

Prova:

• Resolva primeiro as questões mais fáceis de cada matéria, garantindo primeiramente a pontuação mínima em cada uma.
• Após, volte-se para as questões de média complexidade, e, por fim, com o tempo que sobrar, volte-se para as de grande complexidade que, se resolvidas, melhorarão sua classificação.
• Por fim, um dos pontos mais importantes na preparação é entender que se deve estudar até passar e não para passar.

Comentários

comentarios