Recursos PC GO: confira!

32

recursos-pcgo-alfacon

Já divulgamos o gabarito extraoficial da PC GO, neste link, agora, nossos professores prepararam sugestões de recursos. Confira!

Recursos de Informática PC GO

Questão 19

  • GABARITO – impede que o sistema operacional se inicie ou seja executado corretamente.

RECURSO:

“A Trojan horse or Trojan is a type of malware that is often disguised as legitimate software” tradução: “Um cavalo de Tróia ou Trojan é um tipo de malware que é muitas vezes disfarçado como software legítimo” Fonte: https://usa.kaspersky.com.

“Trojans ou Cavalos de Tróia: Este tipo de malware se disfarça de software legítimo, ou está escondido em um software legítimo corrompido. Eles tendem a agir discretamente e criar brechas na segurança para permitir a entrada de outros malwares.” Fonte: http://www.avg.com/a/br-pt/what-is-malware.

Assim, conclui-se pelas definições que o trojan horse não é obtido por outros malwares, quando na verdade é o contrário ele é usado para instalar outros malwares no computador.

Outro ponto a se observar é que se define por phishing uma página ou e-mail falso que tem objetivo de capturar dados do usuário, logo não leva a instalação de programas. Como observa-se pela definição da Norton “Phishing é basicamente um golpe on-line de falsificação, e seus criadores não passam de falsários e ladrões de identidade especializados em tecnologia. Eles usam spams, websites maliciosos, mensagens instantâneas e de e-mail para fazer com que as pessoas revelem informações sigilosas, como números de contas bancárias e de cartões de crédito” Fonte: http://br.norton.com/security_response/phishing.jsp

Diante dos conceitos apresentados solicito a anulação da questão uma vez que as demais alternativas também estão erradas.

Questão 20

  • GABARITO – O becape incremental deve ser feito depois de realizada cópia completa de todos os arquivos de interesse.

RECURSO:

Um becape Incremental salva os arquivos alterados desde o último backup, independente de qual tenha sido, logo não se faz necessário especificar o intervalo de tempo sobre o qual se deseja realizar o becape incremental, uma vez que, a indicação de que o arquivo foi alterado após um becape é representada pelo flag archive do próprio arquivo.

Outro ponto, a questão em momento algum cita a utilização de uma ferramenta ou sistema específico para a realização do becape, portanto não pode se apoiar nas opções de um sistema uma vez que não foi identificado.

O uso da palavra “deve” (imperativa) limita o uso do becape, uma vez que como apresentado significa que toda vez que for realizar o becape Incremental será necessário realizar o becape completo, quando na verdade o becape completo é uma forma de marco de referência para a realização de vários becapes incrementais na sequência para então realizar outro becape completo.

Diante da não contextualização e especificação da ferramenta ou sistema em uso solicito a anulação da questão.

Recurso de Língua Portuguesa PC GO

Questão 01

RECURSO:

A compreensão de texto se limita ao que está expresso de forma explícita no texto, sem que haja a necessidade de conhecimento prévio para se entender a informação veiculada.

Nesse sentido, percebe-se que a resposta atribuída à questão extrapola os limites do texto. No texto de apoio, há o termo “poder de polícia administrativa”. Já a resposta atribuída à questão traz “poder de polícia” de uma forma genérica. Isso faz com que a resposta não seja a adequada, porque tira a restrição trazida pelo texto, já que não há somente esse tipo de poder de polícia.

Além disso, nota-se claramente no texto a existência de um artigo definido antes da construção “administração pública”, o que a torna uma entidade em particular, restringindo seu caráter, por isso, deveria estar grafada com as iniciais maiúsculas que correspondem a sua especificidade.

Vale também destacar que a alternativa dada como correta, em seu corpo de texto, afirma que torna efetiva e faz obedecida cada restrição de direitos e liberdades individuais; isso implica afirmar que esses são atributos da norma, segundo a questão. No entanto, o texto afirma que esses são atributos da administração pública, assim, não se pode confundir competência da administração pública com competência de seus atributos.

Como o comando da questão não dá margem para inferência, depreensão, dedução ou conclusão, não há alternativa cabível a ela. Além disso, a alternativa “o denominado jus politiae que o príncipe detinha …” também poderia ser a resposta da questão, visto que o texto faz uma analogia entre Idade Média e Atualidade. Nesta alternativa, o uso de “equivale” deixa a possibilidade de se compreender que existe uma semelhança entre o passado e o presente.

Solicito, portanto, a anulação da questão.

Questão 03

RECURSO:

Segundo Evanildo Bechara (Moderna Gramática Portuguesa) , o pronome relativo “cujo” reclama antecedente e consequente, estabelecendo uma relação de posse entre eles.

Dessa relação, pode haver uma função sintática exercida pelo “cujo” de Adjunto Adnominal ou Complemento Nominal. Sabe-se que tanto o adjunto adnominal quanto o complemento nominal são termos que estão juntos a um nome, e não distantes deles

No trecho do texto em que o cujo está, temos o seguinte:

“… é conferida aos cidadãos uma série de direitos, entre os quais os direitos à liberdade e à propriedade, cujo exercício deve ser compatível com o bem-estar…”

 A relação estabelecida é a seguinte:

 “exercício dos direitos à liberdade e à propriedade”

Dessa forma, sintaticamente, o pronome cujo tem como antecedente “os direitos à liberdade e à propriedade”. Não há justificativa para afirmar que também tem como antecedente “direitos” (linha 9). Até porque, na linha 10, o substantivo “direitos” vem especificado, e não de forma genérica com na linha 9.

Existe sim um encadeamento entre “direitos” (linha 10), “os quais” (linha 10) e “direitos” (linha 9), mas o antecedente de cujos continua sendo “os direitos à liberdade e à propriedade”.

Seguindo outro embasamento teórico, Cunha & Cintra (Nova Gramática do Português Contemporâneo, 2008, p. 364) afirmam “cujo” é, a um tempo, relativo e possessivo e só pode ser empregado como pronome adjetivo concordando com a coisa possuída em gênero e número. Isso quer dizer que existe uma relação direta entre a posse e o possuidor, não ocorrendo a possibilidade de existir mais de um “possuidor” para o termo.

Consideremos o contrário, consideremos que o “cujo” em questão tenha como referente o termo “direitos” na linha 09. Ainda assim, a construção que se inicia “entre os quais…” exerceria finalidade explicativa no período e a menção dos termos “direitos à liberdade e à propriedade” seria um desdobramento da “série de direitos”. Categoricamente, pode-se afirmar que ainda nesse caso o referente seria apenas um. Não se pode trocar valor semântico por valor linguístico, o pronome “cujo” tem um referente, pois essa é a sua descrição teórica no estudo da morfologia.

Ainda, segundo Cegalla ( Dicionário de Dificuldades da Língua Portuguesa, 2009, p. 108), o pronome relativo “cujo” equivale a “do qual, da qual, dos quais, das quais”  que representam a mesma ideia de posse mencionada anteriormente. O uso da preposição “de” nesse caso é mais um indício dessa relação entre dois termos. A existência de mais termos nessa relação deve ser tratada pelo aspecto semântico e não morfossintático.

Como não há alternativa possível de resposta, solicito a anulação da questão.

Recurso de Direito Administrativo (Agente) 

  • Questão 57 – gabarito preliminar – E

RECURSO – pedido de anulação da questão

Fundamentos:

O enunciado da alternativa E encontra-se dúbio, dando margem a mais de uma interpretação. A república é a forma de governo em que o governante age nos interesses do povo. O governo não é feito diretamente pelo povo, como a questão leva a crer, mas sim por representantes eleitos que agirão em nome e em busca dos interesses desses.

Parte da doutrina entende que Governo é a autoridade governante de uma nação, cuja finalidade é, dentre outras regrar e organizar a sociedade.

Conforme regem os autores Marcelo Alexandrino e Vicente Paulo  (Direito Administrativo descomplicado, 21ª edição, 2013, editora Método): "A República é a forma de governo caracterizada pela eletividade e temporalidade dos mandatos dos chefes do Poder Executivo, com o dever de prestar contas.

Assim, pode-se interpretar tal assertiva como ERRADO, mediante conceitua expressiva parcela da doutrina.

Desse modo, requer-se  a ANULAÇÃO da presente questão, de modo a não prejudicar os candidatos e a manter a lisura do certame.

  • Questão 60 – gabarito preliminar – A

Recurso – pedido de anulação da questão

Fundamentos:

A alternativa A pode ser considerada também como errada, pois parcela da doutrina entende que o controle por vinculação, realizado pela Direta sobre a Indireta é também uma forma de controle que pode ser classificada como INTERNO, uma vez que estamos dentro do mesmo poder (executivo).

Não obstante, a alternativa B também poderia ser interpretada como correta, pois a verificação da conveniência e oportunidade é realizada no âmbito do controle interno, pela própria administração que praticou o ato. A alternativa não foi taxativa em afirmar que é o único critério que pode ser utilizado ou que não poderia também ser feito de forma externa (controle legislativo).

Desse modo, como tanto a alternativa A como a B possuem dupla interpretação, requer-se a anulação da presente questão, de modo a não prejudicar os candidatos e manter a lisura do certame.

>> Saiba tudo sobre o concurso da PC GO

Comentários

comentarios